Genocídio

“Genocídio”, esta canção do cantor Edivan Fulni-ô retrata o desrespeito aos povos indígenas e a floresta em que habitam. A resistência das populações indígenas brasileiras se mantém firme desde a chegada do “colonialismo”, essa doença do homem branco que vem coberta de diversas camadas que agridem a vida humana na terra ao ponto de ser suicida, sobre tudo a vida dos Povos indígenas. O manifesto do artista Edivan Fulni-ô trás mais uma vez o grito de guerra e pedido de consciência para aqueles que se dizem poderosos, sem saber que a cima de nós está o pai Tupã. “Genocídio” é mais uma canção do Edivan Fulni-ô que faz um chamado para segurarmos o céu.

Edivan Fulni-ô

Avatar

Edivan Fulni-ô, indígena do povo Fulni-ô e Pataxó Hã hã hãe. Cantor, compositor e produtor musical que traz um novo conceito no cenário musical, artístico e dramatúrgico brasileiro. Mergulhado em estilos musicais diversos, Edivan faz parte da retomada pelo som com a Música Contemporânea Indígena e o Futurismo Indígena. Ao som de violões e maracás trás a luta e resistência indígena para os palcos musicais do Brasil e do Mundo. Um Índio Preto que chegou aos palcos para luta com arte na a defesa de sua identidade. “Estereotipo indígena é etnocida e eu vim quebrar essa imagem fantasiosa que o gringo gosta de ver. Vai ter índio preto retomando o som”- Edivan Fulni-ô.